Angiologista.org

Livedo Reticular

Dr. Hugo Coelho Neves - 05 de outubro de 2011

COMPARTILHE:

Sinonímia: Livedo remoso, Livedo annularis, Asphyxia reticularis

Acomete mais as mulheres entre 20 e 30 anos, principalmente os membros inferiores e de forma simétrica. Tem como característica ser indolor e apresentar um aspecto em forma de rede, com presença da coloração azulada, erotrocianótica e pálida. O quadro clínico após longo tempo de evolução pode apresentar manchas de pigmentação parda, devido ao extravasamento de hemácias pelos capilares.

Na forma primária, a causa é desconhecida. Na forma secundária, geralmente esta associada à alguma doença, como: periarterite nodosa, lúpus eritematoso sistêmico, crioglobulinemia, intoxicação por arsênio ou por chumbo, tromboangeíte obliterante, hipertensão arterial sistêmica, embolização por cristais de colesterol (Sd. de embolização ateromatosa).

Diversas teorias tentam explicar esta síndrome. Spittel relata à favor de ocorrer uma instabilidade neurossimpática, sendo a palidez correspondente à constricção arterial e as áreas cianóticas correspondente à constricção venular.

Nas fases iniciais, o processo é somente funcional e não apresenta nenhuma alteração estrutural. Com a evolução de agravamento, aparece uma proliferação da camada íntima das arteríolas, uma fibrose perivascular e uma dilatação dos capilares e das vênulas.

O diagnóstico é facilitado pelo exame clínico, que constatará manchas azuladas (ou eritrocianóticas) em forma de rendilhado, que piora com a exposição ao frio e diminui ao calor, sem desaparecer por completo.

Há três formas de apresentação clínica: a Cutis marmorata, o Livedo reticular primário e o Livedo reticular secundário. Cada uma apresenta suas particularidades em relação ao tratamento e ao prognóstico.

A cutis marmorata (cútis marmória) é a forma benigna. A coloração rendilhada aparece nas épocas de frio e fora das crises a pele tem aspecto normal.

No livedo reticular primário (idiopático ou essencial) as alterações da coloração são permanentes e mais intensas, principalmente com a exposição ao frio. Pode apresentar sintomas de dormência e coceira local. Porém, não são frequentes o surgimento de úlceras consequentes à esta forma.

O livedo reticular secundário é a forma mais marcante dessa síndrome e geralmente esta associada a colagenoses. Além de ser permanente, evolui para a formação de necrose da pele ( Livedo reticular necrosante) e de úlceras isquêmicas múltiplas. O exame histopatológico mostra arteríolas comprometidas. Sendo importante ressaltar, que ainda é somado ao quadro clínico as manifestações da doença de base.

As formas cutis marmorata e livedo reticular primário apresentam melhores prognósticos por tenderem a cura espontânea, principalmente a cutis marmorata. A forma secundária tem o prognóstico reservado, devido ao comprometimento vascular, aos processos distróficos e à própria doença de fundo.

É primordial que já nos primeiros sintomas e sinais seja feita a procura ou o encaminhamento ao Angiologista, afim de promover uma consulta especializada com uma avaliação do comprometimento vascular existente. Pois, quanto mais precoce for feito o diagnóstico correto, mais rápido será empregado o tratamento adequado e maior será a possibilidade de uma resposta terapêutica satisfatória.

Livedo Reticular em membros inferiores (simétrico)  

 

Referências Blibliográficas:

-Mello N A. Doenças Microcirculatórias da Pele. Rio de Janeiro: Revinter,2002. 268p

-Mello N A. Aula: Livedo reticular. Curso de Especialização em Angiologia da Esc. Med. Pós-graduação da PUC-Rio, 2010.

COMENTE ESTE ARTIGO
NOME:
COMENTÁRIO:
Esta área é exclusiva para comentários. Em caso de dúvidas clique aqui.
  • Youtube
  • Twitter
  • Facebook
  • SIGA-NOS:

Tsuru

desenvolvido pela