Angiologista.org

Eritromelalgia (Eritermalgia)

Dr. Hugo Coelho Neves - 05 de outubro de 2011

COMPARTILHE:

A primeira descrição na história foi um relato de caso por Graves em 1834, todavia a primeira publicação médica detalhada foi feita por Weil Mitchell em 1872.

É uma doença microcirculatória da pele, que determina uma vermelhidão, uma hipertermia e dor em queimação local. Apresenta-se em crises paroxísticas devido a uma vasodilatação anormal da arteríola, assim, pode ser considerada como o inverso da doença de Raynaud. Nos intervalos das crises a microcirculação local não apresenta nenhuma alteração anatopatológica.

Pode se apresentar na forma primária ou na forma secundária. Sendo a forma primária, também conhecida como doença de Weil Mitchell, é pouco frequente e diagnosticado por exclusão (sem doença de base). Além das principais características já citadas, há critérios menores, como: acometer preferencialmente os membros inferiores,  melhorar com a elevação do membro acometido ou com o frio, agravar com exercícios físicos ou calor ambiente, ser bilateral, simétrica e de apresentar uma “temperatura gatilho”, isto é, quando a pele alcança a uma determinada temperatura desencadeia a crise. Com a evolução de agravamento as manifestações se tornam mais frequentes e com aumento da intensidade da dor urente.

Existem diversas teorias que visam à explicar esta afecção, como por exemplo, Erskine aponta para um comprometimento do sistema nervoso simpático, onde a pele passa a ter uma maior sensibilidade ao calor.

Na forma secundária o quadro clínico é menos típico, porém é a forma mais comum. Apresenta-se como vermelhidão, uma discreta hipertermia, raramente é acompanhada da dor em queimação e pode ser unilateral em caso de algum comprometimento local. Tem como causas possíveis: Policitemia, diabete mellitus, neuropatias periféricas, intoxicação por metais pesados (chumbo), sarcanismo, aterosclerose, alcoolismo crônico, entre outras.

O tratamento na forma primária envolve medidas gerais (informar corretamente ao paciente sobre seu caso, evitar exposições ao calor), medicamentosas e fisioterápicas. Na forma secundária, além dessas medidas, deve tratar a doença de base.

Existe um segundo conceito, que divide essa afecção em duas entidades patológicas, Eritromelalgia e Eritermalgia, onde há uma diferença no quadro clínico, laboratorial, histopatológico e quanto à resposta ao uso de ácido acetilsalicílico. Tendo a Eritromelalgia uma alívio dos sintomas com o uso do AAS, ao contrário da Eritermalgia, que não responde a este tratamento¹.

É primordial que já nos primeiros sintomas e sinais seja feita a procura ou o encaminhamento ao Angiologista, afim de promover uma consulta especializada com uma avaliação do comprometimento vascular existente. Pois, quanto mais precoce for feito o diagnóstico correto, mais rápido será empregado o tratamento adequado e maior será a possibilidade de uma resposta terapêutica satisfatória.

 

Referências Blibliográficas:

-Mello N A. Doenças Microcirculatórias da Pele. Rio de Janeiro: Revinter,2002. 268p

-Mello N A: Aula: Eritromelalgia. Curso de Especialização em Angiologia da Esc. Med. Pós-graduação da PUC-Rio, 2010.

1.Bernardini, E. Arteriopatias Funcionais. In: Francisco H. de A. Maffei; Sidnei Lastória; Winston B. Yoshida; Hamilton A. Rollo; Mariangela Giannini; Regina Moura (Eds.). Doença Vascular Periférica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2008. 1529-1538p

COMENTE ESTE ARTIGO
NOME:
COMENTÁRIO:
Esta área é exclusiva para comentários. Em caso de dúvidas clique aqui.
  • Youtube
  • Twitter
  • Facebook
  • SIGA-NOS:

Tsuru

desenvolvido pela